Arquivo do blog

domingo, 5 de dezembro de 2010


Quase Verão


Calor horrível
de céu nublado para sempre
que não chove nem deixa de chover

Calor que entranha
em poro e pele
e dá vontade de chuveiro frio
de meia em meia hora

Calor que
embota pensamento
desacelera respiração
entorpece vontade

Dá uma vontade de nada
Pálpebra pesada na face suada

Raio de ar condicionado quebrado!

Dezembro de 2010

Um comentário:

André disse...

Flávia querida,

seria exagêro se eu lhe disser que seu texto me fez transpirar? *rs vc descreve a situação como niguém, com esse seu talento ímpar de dizer as coisas tão informal, contudo, tão precisamente. Talento ou se tem ou não; não dá mesmo prá comprar.... mas um ar condicionado quebrado, esse dá prá consertar, né, Flavinha? ;-)

Muito bom esse seu texto, meus parabéns! e um grande beijo, saudades.

André