Arquivo do blog

domingo, 6 de setembro de 2009


O tempo para os amigos não é...

Já notaram que amigos de verdade
raramente se reencontram
falando em “quanto tempo”?

Se disserem algo,
dirão apenas
“que saudade”.

É que o tempo, para os amigos,
não é o mesmo que acontece
para as outras pessoas.  

Para um amigo, dez anos viram 10 minutos em um reencontro.
E os anos magicamente se fundem em um único abraço.

Uma hora rindo com um amigo
faz mais feliz
do que muitas horas sorrindo
com outras pessoas.

Um momento mergulhado no abraço de um amigo
consola mais
do que um dia de condolências
de outras pessoas.

Um instante no olhar de um amigo 
conta mais
do que uma hora de palavras
para outras pessoas.

As horas conversando com um amigo
não acontecem
para entendimento.
Para isso, um olhar e um segundo bastariam.

E, é assim, que semanas sem notícias de um amigo
são dissolvidas no primeiro olhar.

Porque, diferente da paixão, que anseia e duvida, 
a amizade é um amor
que entende
e sabe. 

Setembro de 2009
Falando sobre os meus amigos...

Eu tenho algumas tribos. Alguns amigos de infância e da adolescência. Irmãos que viraram melhores amigos. Amigos que são uma família. Amigos que eram amigos de amigos... e que agora são meus. Alguns amigos da faculdade. Algumas poucas pessoas do trabalho. O pessoal da Poesia. E amizades que não fazem parte de grupo algum, gente que eu fui conhecendo pela vida.

São as minhas pessoas. É uma gente bem humorada, apaixonada, intensa e carinhosa. E com gostos, histórias de vida e disponibilidades as mais variadas.

Eu tenho amigos que conheço da vida toda. E a vida tem sido melhor por conta deles.

Tenho amigos que sabem rir. Já riram comigo, riram para mim, riram de mim e riram de si mesmos. São pessoas com quem eu quero rir todo o meu riso.

Tenho amigos que sabem brigar. Já brigaram por mim, brigaram comigo, brigaram com os meus demônios. São pessoas por quem e com quem eu enfrento qualquer dragão.

Tenho amigos que sabem o que fazer com silêncios. Já me respeitaram e já me invadiram. Mas sempre estiveram ali.

E tenho amigos que conheço há tão pouquinho tempo. E já sei que a vida vai ser melhor por conta deles. São amizades à primeira vista. Amigos com quem eu tenho tanto o que rir junto e chorar junto... Por eles o sentimento não é menor. Só mais novinho. Precisa de tempo.

Amizades são como amores, vão amadurecendo, enraizando, florescendo, a cada dia. E eu cultivo as minhas.

Agosto 2009
(Esse texto faz parte do grupo de crônicas que eu estou chamando de "Impressões sobre a Vida"... não sei se vou colocá-las no blog, ou se ficam na caixa... mas este, publico como um presente a todos os amigos que me acompanham por aqui.)