Arquivo do blog

sábado, 4 de dezembro de 2010


Amanhã também

A burguesia não se importa com o outro.
O operário não se importa com o outro.
Meu Deus, quem é que se importa?

O ser humano é que não desapega do umbigo.


Todo mundo é bom.
Todo mundo quer bem.
Ninguém nunca fez mal.
Será que alguém fez bem?

Acorda, levanta, trabalha.
Café da manhã, almoço e janta.
Jornal Nacional.
Boa noite, meu bem.
E amanhã também.

Acorda, levanta, procura emprego.
Arroz com feijão, graças a Deus.
Jornal Nacional.
Boa noite, meu bem.
E amanhã também.

Na Urca,
o aposentado não vê
que tem fome na esquina.

Na Tijuca,
a dona de casa não vê
que tem fome na esquina.

Em Realengo,
o trabalhador não vê
que tem fome na esquina.

O ser humano é que não desapega do umbigo.


Todo mundo é bom.
Todo mundo quer bem.
Ninguém nunca fez mal.
Será que alguém fez bem?

E, enquanto
boas intenções enchem o Inferno,
nas esquinas transitam
nossas crianças.

Há fome na esquina.
E não é só de pão.
Não dá no Jornal Nacional.
Boa noite, meu bem.

E amanhã
também?

 (Flávia Côrtes - Dezembro de 2010)

www.poetaflaviacortes.com.br

Textos devidamente registrados na Biblioteca Nacional e protegidos quanto aos seus direitos autorais.
======================================================
Poesia Falada: Confira tudo sobre o CD no link Verso em Voz
Maiores informações: contato@poetaflaviacortes.com.br
======================================================

2 comentários:

Viviane Luz disse...

Quando vc leu essa no Corujão, me identifiquei com a realidade do meu trabalho ; o contato com o povo. Mas também amei a poesia do calor que li aqui!!! É muito gostoso passear pelo seu universo! Bjs da Vivi

André disse...

"Ninguém nunca fez mal.
Será que alguém já fez bem?"

Anotei.

Gozado, eu continuo achando que a imprensa burguesa do Brasil continua sempre mostrando as misérias do país para confrontá-las com a fútil opulência do chamado Primeiro Mundo. Mas é uma opinião "de fora", apenas.

Teus textos, Flavinha, jamais nos deixam indiferentes, isso é certo. São os que ficam.

Um belo dia, querida, beijos, saudades,

André